Jump to content

AutoForum.com.br - Som automotivo e automóveis  - O fórum dos maníacos por som automotivo e automóveis
- Proibido conteúdo impróprio para menores em tópicos públicos: Nudez estrategicamente coberta; Roupas transparentes; Poses obscenas ou provocantes; Close-ups de seios, nádegas ou virilhas; (em cumprimento a normas do Google) Qualquer desvio, denuncie ao moderador.
- Usuários do Hotmail/Outlook/Msn - confira tutorial para receber emails do fórum;
- Qualquer problema em algum post, DENUNCIE ao moderador, utilize o link abaixo de cada post.
- Confira tutorial para enviar fotos. Tão fácil quanto um CTRL+V. (17/09/2015)
- Encontro Sound Quality em São Paulo/SP domingo (27/10/2019) *****

Sign in to follow this  
RobôAutoforum

[4r]Clássicos: Aero Willys, o primeiro carro desenvolvido no Brasil

Recommended Posts

Aero-Willys-2600-da-década-de-60-da-Willys..jpg<span class="hidden">–</span>Pedro Bicudo/Quatro Rodas

As linhas arredondadas, os cromados e as grandes dimensões chamavam atenção. Numa época de pioneiros, em que as ruas eram frequentadas por veículos, digamos, mais rudes (Rural, Jeep, Kombi), o Aero Willys se impunha como a versão civilizada. Era o cara de terno no meio do povo comum.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 8.90

O sedã, que começou a ser produzido no Brasil em 1960, tinha um indisfarçável jeitão de carro americano. Além disso, naqueles primórdios, praticamente não tinha concorrente. Havia o Simca Chambord e só. Os outros eram carros menores.

Aero-Willys-2600-da-década-de-60-da-Willys._1.jpg<span class="hidden">–</span>Pedro Bicudo/Quatro Rodas

Por isso, começou a se firmar como o carro de quem tinha posses – ou como veículo oficial. A própria Willys anunciava que ele era o carro preferido dos prefeitos. Mas, por baixo daquele verniz, ele não tinha muita sofisticação. O Aero Willys utilizava a plataforma do Jeep. Por isso, era duro. Outro fato que depunha contra era que nos EUA ele não tinha se saído bem.

Interior-do-Aero-Willys-2600-da-década-de-60-da-Willys..jpg<span class="hidden">–</span>Pedro Bicudo/Quatro Rodas

A Willys Overland decidiu, então, trazer o ferramental e produzi-lo por aqui. Se lá ele era apenas “mais um”, aqui ele seria o topo de linha da marca, composta por Dauphine, Jeep e Rural.

Porta-malas-do-Aero-Willys-2600-da-década-de-60-da-Willys..jpg<span class="hidden">–</span>Pedro Bicudo/Quatro Rodas

O motor de seis cilindros rendia 90 cv e tinha uma característica incomum: as válvulas de admissão ficavam no cabeçote, mas as de escape estavam localizadas no bloco. Mesmo assim, tinha larga utilização na linha Willys (Jeep e Rural também vinham com ele) e mais tarde equipou até o Ford Maverick.

Lanterna-traseira-do-Aero-Willys-2600-da-década-de-60-da-Willys..jpg<span class="hidden">–</span>Pedro Bicudo/Quatro Rodas

Na edição de fevereiro de 1962, reportagem da QUATRO RODAS já chamava atenção para o envelhecimento do projeto, especialmente a traseira: “Os ressaltos dos para-lamas e o tamanho das lanternas – grandes e pesadas – contrastam bastante com o tratamento geral dado ao carro”. Como era derivado de um off-road, a altura em relação ao solo foi elogiada (“alto, para vencer grandes elevações, e curto, para safar-se das piores depressões”).

Farol-do-Aero-Willys-2600-da-década-de-60-da-Willys..jpg<span class="hidden">–</span>Pedro Bicudo/Quatro Rodas

Cinzeiro era um item que não podia faltar. Naquela época, era normal os carros virem com um na frente e outro atrás, no mínimo. A reportagem elogiava a qualidade do estofamento (“excepcional”). Ressaltava que o carro acomodava confortavelmente seis pessoas e que os passageiros do banco de trás eram “servidos por duas grandes bolsas e um grande cinzeiro”.

Espelho-retrovisor-do-Aero-Willys-2600-da-década-de-60-da-Willys..jpg<span class="hidden">–</span>Pedro Bicudo/Quatro Rodas

Embora o ambiente competitivo fosse muito baixo, a Willys resolveu modificá-lo inteiramente. Em vez de importar um projeto pronto (e desatualizado), a empresa decidiu investir num novo automóvel.

Na edição de outubro de 1962, um mês antes de o novo carro ser apresentado no III Salão do Automóvel, o Aero Willys ano 63 era a matéria de capa. A reportagem mostrava todo o desenvolvimento do “projeto 213”, inteiramente concebido pelo departamento de estilo da Willys.

Continua após a publicidade
Sergio-Berezovsky-redator-chefe-da-revista-Quatro-Rodas-dirigindo-um-Aero-Willys-modelo-1966..jpg<span class="hidden">–</span>Ricardo Rollo/Quatro Rodas

O texto era assinado pelo jornalista Hamilton Ribeiro, com fotos de Oswaldo Palermo: “No princípio era uma ideia arrojada (…), mas não cabia na cabeça de um Simenon ou de um Wallace. Nascia na cabeça de um punhado de diretores e técnicos de uma fábrica de automóveis. Idealistas? Não, não eram uns sonhadores. E surgiu o primeiro carro concebido no Brasil, para demonstrar que automóvel também é nosso”.

No mês seguinte, o projeto 213 era oficialmente apresentado ao público, no estande da empresa no Salão. Era o Aero Willys 2600.

A base já não era a do Jeep, mas um monobloco feito especialmente para automóvel de passeio. As linhas da carroceria mudaram radicalmente. No lugar do excesso de curvas do modelo anterior, o Aero 2600 veio com linhas mais retas.

Aero-Willys-modelo-1966..jpg<span class="hidden">–</span>Ricardo Rollo/Quatro Rodas

Na edição de agosto de 1963, a revista fez um extenso teste com o modelo. Chamou atenção para o aumento da área envidraçada, tanto na frente como atrás. E comemorou o fim do “rabo de peixe, de gosto discutível”.

Embora o estilo tenha sido aprovado, a revista dizia que era possível notar influências do Pontiac Tempest (na dianteira), do Simca (lateral) e do Mercedes-Benz 220 (traseira). Mas, apesar de ressaltar certa desarmonia no design, a revista concluía: “Não obstante, cada detalhe, salvo as restrições mencionadas, constitui, de ‘per si’, uma solução estilisticamente razoável”.

Sérgio-Berezovsky-redator-chefe-da-Quatro-Rodas-dirigindo-um-Aero-Willys-2600.jpg<span class="hidden">–</span>Ricardo Rollo/Quatro Rodas

A parte mecânica era remanescente do modelo anterior, mas o motor havia ganhado dois carburadores e mudança no coletor de admissão, e a transmissão chegava com nova relação de marchas. O modelo passou a render 110 cv.

Com isso, agora ele precisava de 21,1 segundos para chegar a 100 km/h e alcançava 129 km/h de máxima. Um carrão. Na conclusão do teste, o veredicto: “Enfim, um carro robusto, bem-adaptado às nossas condições”.

Agosto de 1963

“Tomando-se como padrão o automóvel americano, uma vez que o Aero Willys dele se origina, o modelo 1962 estaria situado na mesma escola dos veículos ianques de 1949. Seu sucessor, o 2600, já poderia ombrear-se com carros da mesma procedência, digamos, de um lustro depois (…). Nas manobras em pequena velocidade, ou com o carro parado, o sistema de direção exige esforço do piloto, que não raro é obrigado a deslocar-se de sua posição natural para conseguir executá-las (…). Como o capô não pode ser trancado, fica à mercê dos amigos do alheio.”

Aero Willys

Teste fevereiro de 1962

  • Aceleração de 0 a 100 km/h 17,8 s
  • Velocidade máxima 140 km/h
  • Frenagem 80 km/h a 0 27,3 m
  • Consumo 6,8 a 8,5 km/l

Preço

Fevereiro de 1962 Cr$ 1.187.000
Atualizado R$ 152.864 (IGP-DI/FGV)

Ficha técnica

  • Motor: dianteiro, 6 cilindros em linha, 2 638 cm3; Diâmetro x curso: 79,4 x 88,9 mm; Taxa de compressão: 7,6:1
  • Potência: 90 cv a 4 000 rpm
  • Torque: 18,8 mkgf a 2 000 rpm
  • Câmbio: manual de 3 marchas
  • Dimensões: comprimento, 470 cm; largura, 183 cm; altura, 159 cm; peso, 1 438 kg

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

capa_738_insta.jpg<span class="hidden">–</span>Arte/Quatro Rodas
Continua após a publicidade

View the full article

Share this post


Link to post
Share on other sites

Create an account or sign in to comment

You need to be a member in order to leave a comment

Create an account

Sign up for a new account in our community. It's easy!

Register a new account

Sign in

Already have an account? Sign in here.

Sign In Now
Sign in to follow this  

AutoForum.com.br

O fórum para os maniacos por som automotivo e automóveis

×
×
  • Create New...