Ir para conteúdo

Conteúdo mais reputado


#2847937 Pra quem tá começando no mundo dos TRIOS automotivos!

Postado por blOom em 05 julho 2012 - 19:35

Bom pessoal, aqui vai um apanhado de dicas pra quem tá começando a montar um trio no carro!


1) Defina o que pretende do som!

-abafar os outros?

-fazer o máximo de barulho possível?

-graves pra tremer tudo ao redor?

-um som com o máximo de qualidade possível?

-um som bacana e barato pra tocar na chácara?

-um som forte sem gastar muito?

-um som que pode ser "upgradeável" com o tempo?

...tendo a resposta (ou as respostas) em mente, vamos pro próximo passo!





2) Defina o quanto de espaço tens disponível!

-É um carro? Hatch? Sedan? Quantos litros tem disponível? Pode tirar o encosto? Tira o banco traseiro? É pickup? Reboque?

...sabendo essa outra resposta, próximo passo!



3) Defina o quanto quer/pode gastar!

-R$ 1.000,00?
-R$ 2.000,00?
-R$ 5.000,00?
... e um detalhe importante:
-Pretende fazer upgrades?

O que é um upgrade? É quando você começa comprando o que sua grana no momento dá... e com o tempo vai melhorando o som! Vai comprando as peças conforme vai sobrando grana! É o que a grande maioria faz.

...sabendo isso, vamos pro próximo passo!





4) Escolha o Tipo/Layout de trio que vai querer!

Lembrando: Driver de Titanium (ex.: Selenium D408ti, Eros Etd 7200, Hinor HDT 3200, dentre outras) dispensa o uso de tweeter! Como assim? Bom, elas tocam médio e agudo sozinhas!
Já os drivers Fenólicos (ex: Selenium D405, Hinor HDT 400, etc) precisa de um tweeter!

Então, quando eu falar em "Drivers", você considere que pode ser:

a) driver titanium
b) fenólico + tweeter

Entenderam?

Vamos lá... quanto ao tipo/layout:



-Falantes de 12' + driver...

..geralmente tipo como "pancadão" por não ter facilidade de responder frequências muito baixas! Se usados falantes de qualidade + drivers de qualidade, pode resultar num som de excelente custo x benefício, sem ocupar muito espaço!

Exemplo: Eros 312LC, Snake Esv620 ou ESX 412, Selenium 12pw5, protech trio 12' etc...

..e se usados falantes de alta resistência, gera altos SPLs (toca ALTO, muito alto!) mas sem boas respostas nas baixas!

Exemplo: Ultravox, Hardpower, etc...



-Falantes de 15' + driver...

..nesse caso, por não usar Médios Grave, o falante PRECISA ser um Full Range! O que é um Full range? Falante que toca "grave" e "voz". Fica com mais "grave" que o exemplo anterior, mas ocupa mais espaço na mala!

Exemplo: WPU, Over Stell, Eros 315LC (e similares), etc.



-Falantes de 18' + driver...

..nesse caso, segue o exemplo de cima! PRECISA ser um full range, e ainda: Esteja ciente de que o falante de 18" não consegue responder bem às altas frequências, mesmo "full range". Ou seja, se for investir nesse som, vá ciente disso! Como o pessoal fala: É por sua conta e risco!


-Falantes de 15' ou 18' + médio grave + driver...

...aqui, como costumam falar, "a coisa fica séria"! Pois abre MUITO o leque de opções, tanto no grave quanto nas demais vias. Vai depender do gosto, da finalidade e do quanto pretende gastar!

Pra via de graves, podes escolher algo FLAT, profissional: Eros SDS 800wrms, Snake HPX 2150 ou 2180, Selenium 15sw1p ou 18sw1p, etc...

...ou escolher algo "reforçado", pra maior rendimento com o custo também mais alto: Eros 2.7k, Snake HPX 6180, Selenium Tornado 4000 ou 5000, etc...

...vale ressaltar que, esses falantes reforçados suportam 2, 3 ou 4x mais potência que os profissionais, mas não rendem 2, 3 ou 4x mais! Infelizmente, por questões de física (nada se perde, tudo se transforma), boa parte da potência aplicada acaba virando CALOR! Ou seja, você compra um falante com 3x mais potência pra render 50% mais. Vai do gosto de cada um!


Pra via de médios, podes escolher algo FLAT: 8pw3, 10pw3, etc...

...ou algo "reforçado"... 10mg300, hpx 2120, etc..

...os falantes de marcas "profissionais" (selenium, snake, eros) inevitavelmente terão bom timbre, mesmo os mais "parrudos". Vale à pena uma pesquisada no assunto!

E pra via de altas, algo LEVE: d220ti (ou D200 + st200), HDT600 (ou HDI400 + HST500)....

...ou algo PESADO (e geralmente com mais qualidade): D408ti (ou D405 + ST400), ETD 7200, HDT 3200....





5) Escolha a quantidade!

...em muitas cidades do Brasil, a polícia tem apreendido sons automotivos! Então, de nada adianta você colocar 4x15" ou 2x18" se nunca vai conseguir usufruir do som. Única exceção é se vc possui local específico para curtir o som, tip chácaras ou locais afastados e sem residências próximas.

Em todos os casos, o modelo "um de cada" é sempre válido:

1x 12'
1x driver (lembre.. driver pode ser fenólico + tweeter)

ou

1x 15' (full)
1x driver

ou

1x 15' ou 18'
1x médio (10' ou 12')
1x driver





6) Escolha a amplificação..

...não vou entrar no mérito das marcas, pois é basicamente uma questão de gosto + bolso. Em resumo, a diferença entre os amplificadores NACIONAIS não passa de 10% em termos de sonoridade! Ou seja, não adianta ficar se coçando por causa da marca. Busque outras vantagens, tais como preços, proteções, clientes satisfeitos, pós-venda, etc...

Quanto à potência...


...pros drivers (ou fenólico + tweeter): O ideal é usar no máximo 1:1!

Ou seja, são 2 drivers de 100wrms? Usa um amp de 200wrms no máximo!

4 drivers de 100wrms? Um amp de 400wrms no máximo!

Porque isso? Porque driver não excursiona (de forma significativa), não tem ventilação na bobina tal qual subões, dentre outros fatores!

Posso aplicar mais potência? Claro! Mas aí é por sua conta e risco! Com o tempo, a pessoa pega "tato" e consegue até usar amps de 400wrms pra tocar um driver de 100wrms sem danifica-lo!


...pros médios: Também é aconselhado usar 1:1 ou um pouquinho mais! Sem exageros!

Prum 10pw3? 150wrms até uns 250wrms tá tranquilo!
Prum 10mg300? 300wrms até uns 500wrms tá tranquilo!

Posso usar mais? Claro, mas vai da experiência também!

Fora que os médios tem outro detalhe: Excursão! Sempre que toca excursionando demais (pulando muito), facilita a queima!


...pros graves: Essa é a parte mais complicada!

-quem nunca teve um som na vida, o ideal é usar 1:1 e respeitar o limite da distorção audível.
-quem já tá no terceiro ou quarto som, o ideal é usar algum headroom, uma FOLGA de potênia! Exemplo: 2 falantes de 800wrms com 1 amplificador de 2500wrms!
-quem já tem experiência de fato, pode usar o dobro da potência ou um pouco mais!

Detalhe das vias de grave: Sempre observe a excursão do falante! Ele nunca deve tocar além do x-max (veja os parametros do falante, no manual). Ou seja, se ele pular demais, pode danificar!





7) Baterias e fontes...

...o ideal e consenso da maioria, pra tocar sem "sufocos", é 100ah pra cada 1000wrms de graves! Ou seja.. um amp de 2500wrms pros graves + um de 800wrms pros médios e um de 200wrms pros drivers, podes usar 250ah de baterias totais! Se tem 5.000wrms de graves, 3.000wrms de médios e 400wrms de agudos, 500ah de baterias são suficientes!

Posso usar menos? Claro! Mas tem duas consequencias:

1) os amps não poderão render 100% do que foram programados!
2) a bateria vai descarregar rápido demais.. poucas horas tocando e lá se vai a carga pra dar a partida!

...vai por sua conta e risco!

Mas sabendo que: Quanto mais se afastar disso (100ah pra cada 1000wrms de graves), mais estará comprometendo o seu sistema!

Ou seja, uma bateria de 35ah pode tocar 2.000wrms de som SIM! Mas não vai fornecer 100% da carga que o amp precisa (consequentemente ele não vai render 100%).... e vai descarregar em poucos minutos!!!


***Bateria do cofre:

Geralmente a bateria do cofre é interligada por cabo MUITO grande (~5 metros).. ou seja, mesmo um cabo BEM dimensionado, acaba gerando perdas! O ideal é que a bateria do trio esteja NA MALA ou próximo dela!


***E baterias de AGM, Gel, Óptima, etc?

Bom, essas baterias são um caso à parte e depende do modelo! Já vi uma Optima (~75ah) tocar um amp de 3500wrms pros graves + 1500wrms pros médios por quase 2h sem descarregar! Aí, cada caso tem que ser analisado à parte!

Se a bateria for AGM comum, pode-se usar uns 75% do que usaria numa chumbo-ácido! Exemplo: 75ah pra cada 1000wrms de graves!

Se for bateria TOP, tipo Optima ou XS Power, pode-se usar uns 50% do que usaria! Exemplo: 50ah pra cada 1000wrms de graves!



***E as fontes?

O ideal é ter 50ah pra cada 1.000wrms de graves! Mas isso também é relativo, pois tem fontes que prometem 120ah e não fornecem nem 100ah... e outras que prometem 150ah e dão picos de 300, 330ah (uma JFA que tive). Mas a conta acima dá uma boa noção!

50ah pra cada 1000wrms de graves! Ou um pouco mais, caso não use baterias auxiliares ou use pouca bateria!

***Posso usar menos fonte que o indicado?

Claro! Mas quando as baterias estiverem descarregando, o rendimento do som vai cair! Ou seja, quando a fonte estiver segurando, o som não suportará tocar 100% da potência!



Quanto ao cabeamento, você pode encontrar a relação nos artigos: http://autoforum.com...hp?showforum=30





8) E a caixa?

A caixa, primeiro vc deve escolher o tipo (manifold, band pass, dutada, etc).

Se for Manifold, tente dar uma lida no assunto, pois é coisa demais pra explicar aqui de forma resumida: http://www.google.co...fold&gsc.page=1

Idem pras Band Pass, MTL e Afins! Só usar o link acima pra dar uma pesquisada!

**Se for dutada, pra 90% dos falantes atuais, temos projetos de caixa. Idem, só pesquisar no link acima!

Mas, pra exemplificar, segue um link bem bacana... só juntar o "som" no "sc" e abrir o link: http://www.som sc.com.br/projetos.asp




Pronto pessoal! Tá feito um resumão de como é composto um trio elétrico automotivo e suas formas de serem construídos!




Ah, um detalhe que não posso deixar passar: Como fazer upgrades?

À princípio é algo simples! Basta você comprar seus equipamentos de forma que você possa utiliza-los SEM precisar trocar futuramente!

Dando um exemplo prático:

Meu som vai ser composto de :

1 x 18"
1 x 12"
1 x driver ti 2"

Pra tocar eles, vou usar:

1 x 3000wrms
1 x 800wrms
1 x 250wrms

Então, o que fiz?

Comprei 1 x 12" e o driver, e confeccionei a caixa inteira (pra 1x18, 1x12, 1xdriver). Coloquei na caixa 1x12' + driver... mas o dinheiro já tava acabando!

Então comprei o SD250.2D! (que vai ser o amp do driver)

Por enquanto o dinheiro não sái, já fico curtindo o sonzinho! Um bridge pro médio, um canal "normal" (sem bridge) pro driver, divisor passivo (capacitor).


Futuramente, o que faço?

Compro o amp de 800wrms! Já coloco ele no médio, deixo o driver no SD250!

E o passo seguinte?

Compro o falante de graves! Coloco o 800wrms pra tocar ele e volto o SD250 como tava antes! Fica o 18' num amp de 800wrms, e o driver + médio no SD250! Não vai render tudo mas já toca bonito!

Mais pra frente, compro o amp dos graves e tá pronto o som! Entenderam?

Isso é upgrade! É você ir investindo aos poucos SEM desperdiçar nada! Tudo comprado já estava na lista inicial!

Enfim, é isso! Qualquer coisa, vou acrescentando com o tempo! :legal:



<<< Receitas Prontas!!! >>>


Galera, segue uma relação de "receitas" já montadas e testadas.. e que deram certo!

*** Trio pra tomar umas de boas.. excelente Custo x Benefício, com ~R$ 500,00

Antes de mais nada, vou contar COMO tive a idéia dessa "receita"...

...meu som vai ser 1x18', 1x12' e 1 ti... PORÉM, enquanto a 18' não chega, tô usando 12' + ti num SD250.1.. e digo: Tá tocando BONITO!

Lógico, não é um som pra "abafar" outros.. mas toca bonito e dá pra montar baratinho!

A sugestão:

Amplificador:

SD250.2D... ~1R$ 150,00


Imagem Postada



Alto falante:

Protech trio 12' ou 15':

Imagem Postada


..ou Eros 312 / 315:

Imagem Postada



E um driver ti (pode ser HDT 600 da hinor ou D220ti selenium) ou driver fenólico (d200, d250x, etc) + tweeter!




Como montar?

Simples: O falante em brigde.. e o drive ti ou driver + tweeter em estéreo, com capacitores individuais!


Pronto! Simples, baratíssimo e toca MUITO bem! Não é de tremer o chão mas animou a cervejada do meu final de semana! rsrs o-o-









*** Trio de bom Custo x Benefício, com ~R$ 1.000,00


Amplificador dos graves:

Novik Neo NVK 2502 - 800wrms

Imagem Postada

ou...

SSL 1500wrms

Imagem Postada



Ambos na faixa dos R$ 300,00 com frete grátis!


Tocando dois graves desses:

Kromus Voicer 15' com 300wrms:

Imagem Postada

ou

Protech Trio 15' com 350wrms:

Imagem Postada

Ambos na faixa de 160~180 reais!


Atente que os falantes devem ser 8 ohms pra casar em 4 ohms (paralelo) no amp, se for usar o Novik (bridge 4 ohms). Se for usar o SSL, o falante tem que ser 4 ohms pois o bridge fecha em 2 ohms!

Amplificador de "altas":

Soundigital SD250 ou similares!

SD 250.2:

Imagem Postada

Os similares, bom são inúmeros! Bbuster, Pyramid, etc etc... fica à gosto do freguês! Mas o exemplo citado acima é confiável e barato! Em torno de 160,00!



Tocando duas D200 selenium:

Imagem Postada

Em média R$ 60,00

..e dois ST200 selenium (ou um ST400 selenium):

ST200:

Imagem Postada

ou um ST 400:

Imagem Postada

O par de ST200 ou UM ST400 saem por ~120 reais! Quem não se incomodar com a estética, recomendo o ST400, tem mais qualidade! Dá pra fazer algo assim:

Imagem Postada


Ou coloca tudo em uma caixa só:

Imagem Postada


obs.: Lembre de usar os devidos capacitores nos drivers e tweeters!



Crossover? Por enquanto não precisa!

Futuramente você pode compra um STx62 da stetsom, liga tudo nele.. e tira o capacitor dos drivers apenas!

Num futuro upgrade, pode acrescentar mais duas D200, e baixar o corte pra 400~600hz, tocando elas bem atenuadas! Cuidado pra não abusar e queimar elas! Com esse corte, elas suportam ~50wrms no máximo!


É um som que toca bonito e com qualidade... e se fizer caixa adequada e alimentação idem, rende MUITO bem!
  • 32


#2328945 Caixa dutada e dutos

Postado por Kleberlpa em 19 janeiro 2011 - 09:02

Segredo? Não, não tem não... o que existe é a necessidade de "empirismo" mesmo. A caixa perfeita nunca é aquela que sai do projeto dirreto pra realidade, e a verdade é que a caia só fica boa depois de muito teste e alteração.

Escolha do volume adequado é a parte mais COMPLICADA.

O volume da câmara é o que vai oferecer o correto amortecimento ao cone do falante. Pouco volume (seja selada ou dutada) freia muito o cone. Muito volume, freia muito pouco o cone.

Todo falante é composto de um motor, um conjunto móvel (cone) e uma suspensão (aranha e borda). O motor empurra o cone, e sua força é medida pelo produto BL. A suspensão lhe fornece um meio ELÁSTICO que faz com que o cone retorne à sua posição inicial, e, dependendo dos objetivos daquele falante, irá oferecer uma carga mecânica, para que este cone não se movimente demais.

O ar dentro da caixa vai se comportar como parte desta suspensão. Por isto que falantes em caixas grandes demais excursionam demais, e há falantes que sequer precisam de uma caixa (modelos free air).

A relação do falante com o volume interno da caixa é mostrado pelo VAS. Quanto maior, MENOR é a necessidade de "freio" (tá, vamos chamar de CARGA ACÚSTICA). Quanto MENOR, mais ele depende de carga acústica. GERALMENTE a caixa sempre vai ser MENOR que o VAS. Em muitos casos, 50% dele é um valor de partida, mas veja bem, isto é completamente genérico e NUNCA deve ser entendido como receita ou regra, nem mesmo como limite.

Tá, falei muito, né?

Resumindo, caixa muito grande TENDE a deslocar muito, e isto significa: 1 - Cone se perdendo, logo, grave embolando. 2 - Maior deslocamento, podendo levar ao dano. 3 - MAIOR facilidade ao conjunto motor para mover o cone em grandes deslocamentos, o que te leva a uma resposta melhor em baixas frequências.

Caixa muito pequena mantem o cone mais controlado, o meio fica com constante elástica maior, logo, o cone consegue retornar com maior agilidade de um movimento. MAS isto cobra seu preço, e esta resistência maior reduz a resposta em baixas frequências, e, além disto, por exigir maior força do conjunto motor para movimentar o cone, tende a não ter força para movimentos muito pequenos da fase membrana. Estes movimentos sãao aqueles graves mais baixos, que estão na extensão de qualquer "batida", ou na miccrodinâmica de um som grave (sim, ela existe, ao contrário do que muitos dizem).

Logo, se diz que o grave perde extensão.

Como saber quando a caixa é ideal? Testando várias caixas, ou fazendo uma caixa de teste que permita reduzir o volume com sacos de areia, até se chegar num ponto ótimo. Fora isto, não tem jeito.

Duto? Testando. A interação entre a caixa e o ambiente muda TODA a resposta que você viu lá na simulação, por isto uma boa caixa nunca fica "lindinha" lá no Bassbox ou no WinISD.

A frequência de sintonia (Fb) pode ser acima, abaixo ou igual à F3. Eu mesmo já usei falante de Fs de 80Hz em caixa grande, sintonizada a 40Hz pra conseguir mais graves comprometendo potência e velocidade.

Fb abaixo da sintonia tem 2 problemas: O SPL na sintoniaa não é tão alto (mas quebra o galho reduzindo o rolloff pra frequências mais baixas), e o Group Delay fica alto.

O que é o tal do Group Delay: É, a grosso modo, a diferença de tempo que cada frequência leva pra ser reproduzida. Como nossos ouvidos conseguem distinguir diferenças iguais ou maiores que 24ms, qualquer GD maior que isto VAI ser entendido pelo nosso cérebro como embolamento, pois a reprodução de uma onda de baixxa frequência pode acabar se sobrepondo a outra nota de frequência diferente (eentenda frequência como período).

Diâmetro do duto é função do volume de ar que passa por ele. Logo, se o falante desloca muito ar, um duto mais fino vai soprar. Por via de regra, use sempre o duto de MAIOR diâmetro possível. Melhora a resposta em baixas frequências e evita ruídos de sopro. Quadrado ou redondo, tanto faz. Só que o quadrado te deixxa livre pra escolher a área, enquanto o redondo vai te cobrar ficar dentro dos valores comerciais, ou usar vários dutos.

Bem, é isto, tentei ser o mais simples possível. Mas muita coisa aí não tem como ser simplista, então meta as caras no google pra digerir tudo.
  • 27


#2079811 Caixa tipo LT para leigos [Novidade no 2º post!]

Postado por SubSonic em 22 março 2010 - 12:32

Bem, muitos do fórum têm se interessado pelas linhas de transmissão, então resolvi escrever este tópico para abordar este tema de forma genérica e prática!

Não vou me ater à TEORIA dos falantes de ¼ de onda (Quarter-Wave Speakers), isso pode ser encontrado em detalhes em excelentes sites como o http://www.quarter-wave.com , http://www.t-linespeakers.org/ e o http://www.diyaudio.com.br que contem material bastante interessante sobre os gabinetes que se utilizam desta tecnologia!

Vamos ao que interessa!

Uma LT é, em sua essência, um tubo, este tubo pode possuir qualquer forma de seção transversal, temos LTs cilíndricas, quadradas e retangulares, na sua maioria, mas pode-se projetar uma LT com qualquer formato, triangular, por exemplo, como eu já até projetei uma!

É muito importante que tenhamos este conceito de tubo bem firme na cabeça na hora de projetar uma LT! Para ilustrar isso e deixar a imagem na cabeça do pessoal que nunca mexeu com LT, fica esse exemplo de LT clássica, tubular e sem dobras:
Imagem Postada

A LT, como dito antes, é um Quarter Wave Speaker, ou seja, ele é baseado no ganho que se obtém ao se colocar o falante no final de um tubo com ¼ do comprimento de onda que se deseja sintonizar a caixa! Isto leva à um dos passos mais importantes ao montar uma LT, a escolha do driver!

Escolha do alto falante para uma LT:

Este tema é tão extenso quanto controverso! Eu vou reportar aqui o básico do básico com muito do que eu, particularmente, aprendi ao longo do tempo brincando com esses falantes!

Ao escolher um falante para LT devemos em primeiro lugar saber PARA QUE queremos este falante! Se é para subgraves, médio-graves, médio agudos, isto vai determinar a freqüência de ressonância (Fs) do sistema como um todo! A Fs do falante determina, grosseiramente, o limite mínimo de resposta da caixa, ou seja, se queremos um falante para subgraves, uma Fs abaixo dos 30Hz é absolutamente necessária!

Em meus experimentos, e observando muita LT por ai descobri que este fato de a Fs ser o limite da caixa é algo não exatamente verdadeiro, ao menos no que se trata da psicoacústica, e mesmo em aferições isso não representa a realidade com tanta rigidez! O que eu reparei, na prática, é que uma LT devidamente projetada e preenchida da forma correta, começa a decair a partir da Fs, mas desce de forma bastante aceitável até ½ oitava abaixo da Fs, e desce 1 oitava inteira com atenuação, mas ainda é presente na metade da Fs!

Além da Fs outro fator importantíssimo é o limite mecânico do alto falante, ou seja, sua capacidade de deslocar o cone, a sua Xmax. No Brasil somos carentes de falantes de alta excursão, então ao escolher um speaker para LT devemos pegar o melhor dentre o que temos! Não dá pra ser tão seletivo por aqui, mas um speaker de 10” com excursão de 9mm para cima já é um bom começo, um sub de 12” com 11mm de excursão dá pra brincar, é claro que excursionadores de vocação, com seus 20mm de Xmax são as vedetes dos melhores projetos de LT para subgraves, mas falantes desse tipo, por enquanto, no Brasil, são inviáveis! Se vc tiver bala na agulha para importar, parta para falantes com tecnologia XBL², tais como os Maelstrom, Adire e alguns RE.

Um fator que é até mais importante que a Xmax é a capacidade do sub controlar o cone, a FORÇA de seu conjunto motor em conjunto com a eficiência de sua suspensão! Como para o Xmax, devemos procurar o melhor dentre os disponíveis, buscando falantes com alto BL e um Qts nem muito alto e nem tão baixo assim, eu, particularmente gosto de falantes com Qts entre 0,3 e 0,6. Augspurger, um dos maiores estudiosos das LTs, desenvolveu modelos matemáticos revolucionários em relação a este tipo de falantes, e também preconiza o uso de falantes com qts entre 0,31 e 0,58, e a prática confirma esta teoria com exatidão!

Selecionado o falante podemos partir para a linha em si!

No cálculo de uma LT clássica se utiliza apenas 2 fatores do alto falante para se calcular a linha, a Fs e a Sd. A Fs determinará o comprimento da linha, enquanto que a Sd determina a área da seção transversal da linha.

O cálculo do comprimento segue a formula:
Imagem Postada

Onde:
L = comprimento da linha
c = velocidade do som no ar (340m/s)
Fs = Sintonia da LT

Como agora a coisa vai ficar um pouco cheia de fórmulas etc. eu vou usar um exemplo de cálculo para facilitar a ilustração, ISTO É UM EXEMPLO! Use as fórmulas com os parâmetros do alto falante que vc vai usar!

Alto Falante:
Keybass Black Panther 10” – KSW 10-134
Fs: 26Hz
Sd: 379cm²

Aplicando-se a fórmula citada, temos
Imagem Postada

Ou seja, para este subwoofer teríamos que construir uma linha com 3,27m de comprimento, eu sei que isto parece muito, mas este cálculo é para uma linha totalmente sem preenchimento, um tubo ressonante, mas LTs não são vazias, elas recebem preenchimento de materiais que servem para eliminar picos e oscilações, estes materiais, por serem sólidos móveis (as fibras se movimentam com as oscilações de pressão), conduzem o som a uma velocidade menor que o ar sem impedimentos, e assim uma linha preenchida “engana” o som, fazendo com que ela se comporte como uma linha mais longa, pode-se retirar uns 10-15% do comprimento da linha, para uma linha com preenchimento leve. Eu faço a redução de forma um tanto quanto arbitrária, reduzo em torno de 10%, um pouco mais, um pouco menos, isso não é ciência de foguete, ninguém vai morrer nem nada vai pegar fogo por uma diferença de 5cm no comprimento da linha! Faça o comprimento mais perto possível do cálculo, e seja feliz! Essa é uma das vantagens da LT, ela te recompensa mesmo se vc não for tão preciso na execução!

Vou estabelecer uma linha de 3m de comprimento para facilitar cálculos!

Bem, já temos o comprimento da linha, agora falta a área transversal (S). Diferente do comprimento a área não possui fórmula, ela é uma relação direta da Sd do falante! As LTs clássicas terminam sempre em 1Sd, isto funciona, mas minha experiência mostrou que linhas que terminem menores, ficam com maior controle de cone e consegue-se aplicar mais potencia, principalmente em subgraves! O final da linha próximo de 1Sd ajuda na velocidade e no ataque, portanto, neste projeto, eu não vou fugir tanto do 1Sd, farei cálculos para uma linha que termina em 0,8Sd. Calculando o a S final (S1) da linha:

S1 = 0,8 x Sd = 0,8 x 379 = 303,2cm²

Temos a medida do final da linha, agora calculando o começo (S0). O começo da linha é outro assunto controverso, neste ponto eu falo POR MIM, se alguém pensa diferente sinta-se livre para se expressar! Bem, eu gosto de linhas que tenham pouco tapering, ou seja, linhas que sejam mais retas, que o começo e o final sejam mais parecidos, linhas com muito tapering tendem a ficar extremamente boomy, alem de deixarem o falante menos controlado. Neste nosso exemplo, usarei um S0 de 1,2Sd:

S0 = 1,2 x 379 = 454,8cm²

Pronto! Temos todos os valores necessários para começarmos nosso projeto propriamente dito!

Em resumo teremos um tubo de 3m de comprimento que se inicia com uma área de 455cm² e termina em uma área de 303cm²

Agora entraremos em uma parte que se aplica a qualquer projeto, é mais umas dicas na hora de construir, coisas simples, mas que podem ajudar o pessoal menos experientes com DIY!

Bem, temos um falante com um diâmetro nominal de 26cm, com um encaixe no baffle de 23,5cm. Como eu procuro uma linha compacta, farei a linha com a largura do furo em que o falante se encaixa, ou seja, 23,5cm, para não ficar tão apertado, vou arredondar para 24cm de largura.

Bem, já temos 2 dimensões da linha, o comprimento de 300cm e a largura de 24cm, agora vamos determinar a profundidade no início da linha!

A linha precisa ter 455cm², então usando geometria básica, divide-se esta área pela largura de 24cm e obtém-se:

455/24 = 18,95333 ou aproximado para 19cm

Calculando o final da linha da mesma forma:

303/24 = 12,625 ou aproximado para 12,5cm

Com isto podemos criar um esboço da linha em 3 dimensões, pode usar lápis e papel, paint brush e muita imaginação, ou meu favorito, Google Sketchup, no skp teremos:

Imagem Postada
Imagem Postada

Esta é a linha inteira, sem dobras, repare que há uma porção reta, esta porção é metade do diâmetro do falante, para que a seção tapered se inicie no centro do falante. Isto não é necessário, mas eu gosto de fazer! Repare que eu projetei para que o falante fique transversal à linha, isto ajuda a reduzir picos e vales de resposta, quanto mais fora da ponta estiver, melhor, mas isso custa SPL e subgraves, então eu não desloco o falante a partir do final da linha, eu deixo ele no fim da linha, mas transversal, dessa forma se tem toda a extensão de resposta, sem perder SPL! Se alguém se interessar mais por esse detalhe me pergunta q eu respondo!

Como os amigos devem ter pensado, uma linha reta de 3m de comprimento não é exatamente prático pra se colocar na sala, imagine então no carro! Então se vc não pretende sonorizar um ônibus, o jeito é dobrar essa linha! As ondas não se importam muito em fazer curvas, costumam fazer direitinho, sem problemas, então a quantidade de dobras vai da necessidade, mas quanto menos dobras melhor, aqui no nosso exemplo, vou fazer com 2 dobras, deixando a caixa meio quadrada. No sketchup eu costumo cortar o tubo e ir remontando ele, depois confiro o resultado final, nesse caso, para ficar mais didático só vou mostrar as dobras com medidas para vcs entenderem a idéia.

Imagem Postada

Essa seria a base da caixa, eu, quando projeto, começo com esse esboço, e dai re-faço tudo considerando a espessura do MDF, isso é fácil de fazer, as pequenas mudanças no comprimento e largura da linha não são problemáticas!

Bem, a linha agora está totalmente projetada, eu vou mostrar aqui um projeto completo que eu fiz para uma cama LT para 2 panther 10”:

Imagem Postada

(será adicionada uma imagem assim que eu achar o *.skp aki no meu PC)

Bem, pessoal, por enquanto é isso! Acho que já dá pra ter uma noção boa de como projetar uma LT! Agora é pegar a tico-tico, MDF, e partir pra brincadeira! O próximo post será a respeito do preenchimento que EU costumo fazer, e algumas elucubrações sobre o assunto que é tão extenso que não dá nem pra pensar em abordar uma fração expressiva dele! Vou só falar como eu faço e se rolar discussão a gente estende o assunto!


--- marcelomoti editou o titulo. Partindo do pressuposto que a maioria dos leigos em som automotivo não sabem o que é "LT para dummies" alterei o titulo para um portugues mais claro para que alcance todos os públicos.

--- Obrigado, Moti! eu tinha pensado mesmo em mudar o título! eu meio q emulei o "M.J. King for dummies" na hora de escolher o título, mas assim ficou bem melhor!
  • 26


#2848048 TESTE DE POTÊNCIA 2012 - Stetsom, SounDigital e Banda

Postado por LucasGYN em 05 julho 2012 - 21:16

Bom, pessoal, estava com algumas baterias e uma fonte aqui e resolvi fazer um teste de potência em alguns amplificadores.

Deixo claro que eu NÃO USEI OSCILOSCÓPIO, isso mesmo, não usei, pois eu não tenho. Usei como referência o led clip do amplificador, pois ele foi feito para isso, detectar distorção, e se ele funciona adequadamente, ele vai me mostrar até que ponto o amplificador emite sinal limpo e a partir de onde há o enquadramento da onda. Além de que eu conversei bastante com o Ernany e ele me falou que nos testes que ele fazia quando o led clip acendia era exatamente no momento do enquadramento da onda no osciloscópio.

TODOS OS AMPLIFICADORES FORAM TESTADOS NA IMPEDÂNCIA MÍNIMA E NO DOBRO DA IMPEDÂNCIA.

AMPLIFICADORES TESTADOS:
- Soundigital SD2500 2 ohms
- Soundigital SD1500 SMD 1 ohm
- Stetsom 2k5 2 ohms
- Stetsom 1k5 2 ohms
- Banda Ice 3500 2 ohms
- Banda Expert 1200 2 ohms (bridge)

EQUIPAMENTOS UTILIZADOS:
- Bateria Moura Log Diesel de 150ah e 1600a de pico
- Bateria Alphacell GXL 220 de 110ah e 900a de pico
- Fonte Spark Usina de 250 amperes
- Cabos de 35mm² interligando as baterias e nos terminais de entrada dos amplificadores
- Cabos de 50mm² na saída da fonte
- Dois multímetros (um na entrada e outro na saída do amplificador)
- Duas resistências de chuveiro de 2 ohms
- Ipod
- Cabo P2 x RCA
- Balde e água

COMO O TESTE FOI REALIZADO:
As duas baterias estavam totalmente carregadas e a fonte ficava ligada durante todo o teste, fornecendo energia para os amplificadores e recarregando as baterias o tempo todo. Durante um teste e outro sempre era dado um tempo para o amplificador esfriar, a resistência esfriar, a bateria recarregar e a água do balde também esfriar.
Após conectar todos os cabos e fios nos amplificadores o Ipod gerava uma frequência de 60Hz e o ganho do amplificador e o volume do Ipod era ajustados minuciosamente, exatamente no ponto máximo antes do clip. O ganho e o volume eram ajustados tão precisamente que em alguns vídeos é possível até ver o led clip piscar rapidamente.
A partir da tensão verificada na saída do amplificador foi feito o cálculo de potência através da fórmula de tensão * tensão, dividido pela impedância (resistência, no caso). Fórmula: P = (V*V)/R
Para que o resultado fosse ainda mais preciso era necessário utilizar um amperímetro para medir a corrente exata na saída do amplificador, mas a forma que realizei o cálculo também é correta quando se conhece o valor da resistência e esta não se altera.



RESULTADOS:

- Soundigital SD2500 2 ohms
Potência declarada em 2 ohms: 2500 W RMS (12,6 V)
Potência declarada em 4 ohms: 2000 W RMS (12,6 V)
Tensão verificada na saída (2 ohms): 66,0 V
Tensão de entrada (2 ohms): 12,9 V
Tensão verificada na saída (4 ohms): 83,2 V
Tensão de entrada (4 ohms): 14,15 V
Potência fornecida em 2 ohms: 2178 W RMS (12,9 V)
Potência fornecida em 4 ohms: 1730,6 W RMS (14,15 V)


- Soundigital SD1500 SMD 1 ohm
Potência declarada em 1 ohm: 1500 W RMS (12,6 V)
Potência declarada em 2 ohms: 1100 W RMS (12,6 V)
Potência declarada em 4 ohms: "não fornecida"
Tensão verificada na saída (1 ohm): 41,0 V
Tensão de entrada (1 ohm): 14,15 V
Tensão verificada na saída (2 ohms): 45,3 V
Tensão de entrada (2 ohms): 14,25 V
Tensão verificada na saída (4 ohms): 49,9 V
Tensão de entrada (4 ohms): 14,3 V
Potência fornecida em 1 ohm: 1681 W RMS (14,15 V)
Potência fornecida em 2 ohms: 1026 W RMS (14,25 V)
Potência fornecida em 4 ohms: 622,5 W RMS (14,3 V)



- Stetsom 2k5 2 ohms
Potência declarada em 2 ohms: 2500 W RMS (12,6 V)
Potência declarada em 4 ohms: 1850 W RMS (12,6 V)
Tensão verificada na saída (2 ohms): 57,2 V
Tensão de entrada (2 ohms): 12,7 V
Tensão verificada na saída (4 ohms): 70,8 V
Tensão de entrada (4 ohms): 14,2 V
Potência fornecida em 2 ohms: 1635,9 W RMS (12,7 V)
Potência fornecida em 4 ohms: 1253,2 W RMS (14,2 V)



- Stetsom 1k5 2 ohms
Potência declarada em 2 ohms: 1500 W RMS (12,6 V)
Potência declarada em 4 ohms: 810 W RMS (12,6 V)
Tensão verificada na saída (2 ohms): 46,9 V
Tensão de entrada (2 ohms): 14,15 V
Tensão verificada na saída (4 ohms): 50,8 V
Tensão de entrada (4 ohms): 14,3 V
Potência fornecida em 2 ohms: 1099,8 W RMS (14,15 V)
Potência fornecida em 4 ohms: 645,2 W RMS (14,3 V)



- Banda ICE 3500 2 ohms
Potência declarada em 2 ohms: 3500 W RMS (12,6 V)
Potência declarada em 4 ohms: 2100 W RMS (12,6 V)
Tensão verificada na saída (2 ohms): não foi possível verificar (alimentação insuficiente - VERIFICAR VÍDEO)
Tensão de entrada (2 ohms): 12,2 V
Tensão verificada na saída (4 ohms): 90,0 V
Tensão de entrada (4 ohms): 12,95 V
Potência fornecida em 2 ohms: "alimentação insuficiente" (12,2 V)
Potência fornecida em 4 ohms: 2025 W RMS (12,95 V)



- Banda Expert 1200 2 ohms (bridge)
Potência declarada em 2 ohms: 1200 W RMS (12,6 V)
Potência declarada em 4 ohms: "não informado"
Tensão verificada na saída (2 ohms): 51,1 V (neste momento o fusível queimou, talvez desse mais)
Tensão de entrada (2 ohms): +/- 14,2V
Tensão verificada na saída (4 ohms): 57,1
Tensão de entrada (4 ohms): 14,3 V
Potência fornecida em 2 ohms: 1305,6 W RMS (+/- 14,2 V) - fusível rompido
Potência fornecida em 4 ohms: 815,1 W RMS (14,3 V)



Ainda vou postar os vídeos dos testes, só não consegui filmar o teste da Banda Expert 1200 pois quando eu estava achando o ponto exato antes do "clip" o fusível queimou, mas ainda sim eu consegui verificar, só não foi filmado. E o vídeo que vou postar da SD2500 eu não é o que eu liberou exatos 66 V na saída, pois só consegui isto uma vez e foi quando eu ainda não tinha filmado, no momento que eu estava achando o exato ponto do "clip" também, o vídeo que vou postar é onde ela liberou 64,3V que é o que eu consegui filmar.

O teste não é 100% ideal pois todo equipamento de medição tem um erro e nenhum amplificador é igual ao outro, sempre existem pequenas alterações que podem variar a potência para mais ou para menos. Além disso eu não usei osciloscópio. Mas foi o que eu consegui fazer, perdi um bom tempo fazendo isso, pra quem quiser ter uma NOÇÃO da potência real destes amplificadores eu acho válido, mas quem não achar válido eu também entenderei.

Quero agradecer ao Alessandro (redin.gyn) que forneceu sua Stetsom 2k5 e sua Banda Expert 1200 e o Rafael (rafael talaska) que forneceu sua Stetsom 1k5, e também agradecer ao Ernany que deu uma ajuda.

É isso aí, pessoal.

:legal:

EDIT.:

Mais testes...


Teste do RS-1200D

Potencia 1132wrms @ 1ohm






Teste do BA-1500D @ 1OHM

Potencia = 1485wrms






Teste do BA-1500D @ 2Ohms

Potencia = 1042wrms



:legal:
  • 24


#2337345 [ARTIGO] Potência nominal x potência APLICÁVEL

Postado por Kleberlpa em 28 janeiro 2011 - 12:46

Bom, por ver a quantidade de gente falando em aplicar 2, 3x a potência em um falante, e pela quantidade de gente QUEIMANDO esses falantes, resolvi escrever um artigo...

Potência nominal dos falantes e potência aplicável

Hoje é bem comum as pessoas falarem em aplicar o dobro ou mesmo o triplo da potência em um falante, sob o argumento que "o fabricante disse que suporta", ou que "é bem comum no mercado de PA os profissionais trabalharem com headroom", ou sobra de potência.

Sim, é até recomendável trabalhar com sobra de potência, pois o nível de distorção é bem menor em altas potências. MAS não é assim tão simples.

No meio automotivo, é comum os usuários utilizarem o volume no máximo, equalização no máquimo, bass boost no máximo, e ainda acharem que a luz de clip tem que ficar piscando. Caso você seja um destes, NÃO APLIQUE MAIS POTÊNCIA QUE O ESPECIFICADO NO FALANTE.

Não, não aplique. Não importa se o instalador fala que precisa, não importa se o fabricante colocou um vídeo de um sub de 1000W RMS tocando com 5000W RMS. Se o tal alto-falante fosse REALMENTE capaz de operar a 5000W RMS, ele não seria um falante de 1000W RMS.

Portanto, usar potência extra é aalgo para POUCOS, quase ninguém. Não se iluda com o que você vê na internet, ou o que o vendedor diz que o falante suporta: Ambos querem apenas o seu dinheiro. O fabricante não vai te dar garantia por bobina queimada. Não seja trouxa!

SEGUNDO: Aplicar potência extra exige um sistema EXTREMAMENTE bem acertado. Caixa perfeitamente projetada e construída, subsônico perfeitamente regulado, e nada de excessos por parte do proprietário.

Vamos a um exemplo prático:

Imagem Postada

Este é o gráfico do deslocamento do cone de um subwoofer qualquer, em caixa sintonizada em 45Hz (comum em caixas destinadas a grande SPL). A parte em vermelho escuro é a parte onde ele já está EXCEDENDO o deslocamento máximo (x-máx), ou seja, por volta de 30Hz. Isto com a potência correta aplicada.

E se aplicarmos o DOBRO da potência?

Imagem Postada

Como se pode ver, além do sub extrapolar o deslocamento por volta dos 30Hz, você ainda vai extrapolar o deslocamento entre 60 e 80Hz!

E o que isto significa?

Significa que seu falante vai sofrer maior desgaste mecânico, com SÉRIOS riscos de danos durante o uso. Portanto, não adianta simplesmente pegar a caixa padrão e aplicar muito mais potência, você vai precisar de outra caixa, e esta caixa vai ter uma resposta totalmente diferente da caixa padrão. Seria necessário reduzir a caixa, muitas vezes à metade de seu tamanho, o que vai te dar menos subgrave e graves mais secos, duros.

Além disto, o ajuste do subsônico, quando errado (ou quando não existir, situação em que o sub FATALMENTE vai queimar), também vai fazer seu subwoofer deslocar em excesso, danificando-o.

Portanto, aplicar o dobro da potência é sim possível, mas quem aplica o dobro da potência NÃO USA o dobro da potência, ou quando usa, o faz por períodos CURTOS de tempo. Quem aplica tanta potência de forma irresponsável, só vai servir pra engordar o bolso dos reparadores de falantes e dos vendedores.

Portanto, seja sensato e não acredite em modinhas.
  • 16


#2138680 Música Brasileira em FLAC na rede

Postado por CesarDRK em 31 maio 2010 - 21:29

Galera deixei baixando mais algum material hoje a tarde, ja está disponível no FTP:

[*] ABBA - Gold Greatest Hits
[*] Audiophile Reference I - Classical Music
[*] Bad Religion -Stranger Than Fiction
[*] Beach Boys - Greatest Hits [The Swedish Collection]
[*] Dashboard Confessional - The Swiss Army Romance
[*] David Guetta - Blaster CDA
[*] David Guetta - Just A Little More Love
[*] FIM Audiophile Reference IV
[*] Francis Albert Sinatra & Antonio Carlos Jobim - 1967 (Muitoooo Legal !!!)
[*] Jazz Collection - 1998
[*] Kings Of Leon - Only By The Night
[*] Neil Young - Greatest Hits
[*] Neil Young - Neil Young (NYA Box Set Pallas) [Vinyl Rip 24-96]
[*] Pink Floyd - The Dark Side Of The Moon [Vinyl Rip 24-96]
[*] Sheryl Crow - The Very Best Of
[*] Slipknot - Slipknot (10th Anniversary Edition)
[*] Soundgarden - Discography
[*] The Beatles - A Hard Day's Night
[*] The Beatles - Sgt Pepper's Lonely Hearts Club Band [Vinyl Rip 24-96]
[*] The Cure - The Cure


Quem gostou, se puder, colocar um ponto positivo de reputação p/ mim, obrigado !
  • 15


#1507648 Cd De Teste Específico Para Sq E Sqpl

Postado por Kleberlpa em 07 abril 2008 - 13:44

Fala povo...

Como sempre tenho que juntar trocentos CDs pra poder avaliar algum sistema, resolvi fazer uma grande compilação, e disponibilizar para download. São faixas bem interessantes, divididas pelo tipo do teste. Tentei não repetir os outros cds de teste disponíveis na internet (série Focal, etc), mas aproveitei algumas faixas úteis, como testes de fase, palco sonoro... e fiz uma seleção de músicas bem interessantes, entre jazz, mpb e rock. Nada de "músicas de elevador" :vts . Fiz uma seleção BEM criteriosa, cortei muita coisa, adicionei outras... ficou "redondinho".

Vai junto um manualzinho com descrição das faixas e de cada tipo de teste. São 195mb no total, divididos em 3 arquivos zipados, pois nem tudo é MP3. As faixas mais "sérias" estão em Wav, pra evitar perda de performance. Um total de 46 minutos.

Tracklist:

1 – Teste de fase acústica.

Palco Sonoro
2 – Giz
3 – Rolo de fita adesiva
4 – Walking Sax

Ressonância nos graves
5 a 8

Bateria
9 – Bateria e baixo
10 a 12 – bateria solo

Vozes masculinas
13 – Eric Clapton & BB King – Riding With The King
14 – Junior Wells – Use Me
15 – Ed Motta – Doce Ilusão

Vozes femininas
16 – Rebecca Pidgeon – Spanish Harlem
17 – Fever
18 – Elza Soares – Dura na queda
19 – Maria Rita – Caminho das águas
20 – Maria Rita – Muito pouco

Dinâmica / velocidade nos graves e médio-graves
21 – Faith No More - King for a day.
22 – Titãs – Lugar nenhum

Teste de graves
23 - Metallica – Until It Sleeps - A famosa!!!!!!!!
24 - Benny Benassi – Satisfaction
25 – 20Hz
26 – 25Hz
27 – 31,5Hz
28 – 40Hz

Beixem, ouçam, e gravem em CD. O ideal é gravar em cd de áudio mesmo, pois alguns players de MP3 podem não aceitar os arquivos WAV corretamente.

Ainda estou subindo os arquivos, mas já vou deixar o link: http://kleberlpa.4shared.com/ . À medida que eles forem aparecendo, podem baixar.

Divirtam-se.
  • 15


#2073745 Quanto importante é o duto!!

Postado por Luiz Henrique em 15 março 2010 - 18:08

Há muito venho mechendo fuçando e refuçando nas minhas caixas....

Ao longo do tempo eu e spalenza viemos adquirindo conhecimento e melhorando nossas caixas , um passo que nos demos foi relacionado ao duto. Sempre li a respeito e vi a impotancia de uma boa vazao mas com o cuidado de manter a pressao interna da camara e achei em um duto legal que seria algo perto de 50% das "polegadas" do sub (sub de 12" um duto de 6" seria legal). Bom...mas ensinar a usar um duto nao é meu proposito aki...
Vim aki falar de um fato que me deixou realmente intrigado... "mechendo nos upgrade do meu primo o duto dele estava no limiar do mdf ,um duto basico... puchei o duto pra frente (com o grave batendo) e deixei 50% pra fora e logicamente 50% pra dentro.... foi BEM perceptivel a mudança do grave , deu pra sentir que o pico rendeu mais forte... Com um sentimento na pele resolvi brinca :pirou: tirei o duto e esquentei na chama do fogao e fiz na boca (externa apenas) um pequeno ressonadorzinho e botei na caixa, Novamente uma melhroa concideralve(duto 50% dentro e 50% fora) foi nitido o desaparecimendo do "SOPRO" do duto e consequentimento a melhor vazao de ar, que por sua vez melhorou o grave"

Bom vim aqui dividir um pouco disso com o forum pq o conhecimento é feito pra ser disseminado... venho aki enfatizar que nao so pro SPL e sim pra todo sistema que exisge-se uma boa peformace , que um bom duto é DE EXTREMA IMPORTANCIA... Vlw pelo pessoal do forum que me ajudou nessa minha caminhada "acustica" e a todos os amigos que tirarm minhas duvidas...

:legal:
  • 14


#2226356 papa trio bomber

Postado por Guto de Almeida em 10 setembro 2010 - 14:42

Vamos Comparar Parâmetros ???


Li o Tópico e percebi que MUITO se compara o Papa Trio (que antes de mais nada , nunca escutei o de 15" nem de 12") com a Série PW3 ... Mas no meu ver , não tem nada a ver ... melhor comprar com o PW5 !!!


Vamos ver alguns parâmetros e comentar sobre eles ! (os parâmetros Principais vamos comentar)

(vamos ver os Falantes de 15" ok ?)



Pe : BOMBER : 350 SELENIUM : 350

Os 2 batem de frente ... Comparação Justa nesse Aspecto


FS : BOMBER : 43Hz SELENIUM : 40Hz

3 Hz de diferença entre ambos ... Se formos BEM realistas ... Isso não é diferença que vai fazer diferença em um Sistema de Trio Elétrico ... Concordam ?


QTS : BOMBER : 0,55 SELENIUM : 0,40

Nessa a Selenium Leva ... QTS Menor = Caixa menor (para carro é ótimo isso) ... Mas o que POUCOS sabem é que um QTS muito Baixo é = Falante com Menos Grave , por conta de ter menos massa que no conjunto móvel e sendo assim Ressonando Mais alto ... Ae vcs me Perguntam : - Guto então pq o FS do Selenium é mais baixo ??? E eu respondo : Provavelmente pra compensar a falta de Grave por conta do QTS ele tem uma centragem mais flexível , resultando em um FS menor , e complicando um pouco o Controle de Cone ... Mas a Selenium não é Boba e foi lá e mexeu no BL ;) , mas já já chegamos nisso !


VAS : BOMBER : 192L SELENIUM : 190L

Equilibrado os 2 !!! E sem Novidades para falantes de 15"


BL : BOMBER : 10,2 T.m SELENIUM : 17,00 T.m

Selenium Leva nessa =) ! Para quem não sabe , BL é ligado a Controle de Cone ... Ae entra o que disse pra vcs no QTS ... como eles tiveram que colocar uma centragem mais Flexível para baixar o FS , eles deixam o Falante BOBO ... ae tem que se ter um conjunto Magnético mais eficiente ... sendo assim se obtém maior BL ! (o BL envolve mais coisas que isso ... mas não vamos entrar muito à fundo nisso , pois não é o assunto do tópico em si)


SPL : BOMBER : 96DB SELENIUM : 98DB

Nisso a Selenium Leva ... Mas Tem um porem ae na coisa toda ... o que MUITOS não reparam (e não culpo por isso , pois muitas marcas não dizem COMO é feita a medição) é esse que 98DB da Selenium é em torno de 100hz à 2khz ... o-o- ... Eles não estão MENTIDO que tem 98 DB , Mas não dizem em que FREQ. se Deu esses 98DB ... é uma média !!! Então PODE SER que esses 98DB sejam lá em 1Khz e na parte que todos Gostam , que é o GRAVE ele tenha 90DB (que não é uma coisa ruim !!!) Então Abram o Olho ... e QUEIRAM saber em que freq. se obtém a Sensibilidade do Falante ;)
A Bomber Perde DENOVO quanto à isso , pois no manual não diz em que freq. isso foi medido TAMBÉM !


XMAX : BOMBER : 3mm SELENIUM : 5,7mm (com 10% de distorção)

No caso a SELENIUM LEVA , mas tem um porem ... com 10% de Distorção ? Pois é ... O que isso quer dizer ? quer dizer que não é , digamos , JUSTO junto comparando com a Bomber ... Pois o da BOMBER não diz nada de tolerância de distorção na medição do falante ... São 3mm com sinal limpo (não tenho certeza ... pode ser que esteja errado).
O que pode-se Concluir é que esses 3mm da Bomber deve a sensibilidade ... pra ter uma sensibilidade grande ... se perde Xmax !


Resumo e Balanço Geral ... SELENIUM LEVA ! Comparando parâmetros é melhor !!!

Mas ae vem algumas conclusões !

Quem diz que pelos parâmetros não dá pra saber como o falante toca é MENTIRA , dá SIM ! aliás esses parâmetros não são justamente pra ajudar a você saber que TIPO de falante é !!! Além é claro de ajudar a você projetar a caixa !

Então resumindo , o BOMBER Teria um Som mais Voltado para o GRAVE (subiria MENOS que o PW3) e o SELENIUM tocaria menos grave que o BOMBER (não vão pensar que é uma diferença MONSTRO , mas existe a diferença ... só simular ae nos programas)

Agora quem tá defendendo o SELENIUM , simula ele com a caixa que o manual indica (110 L com duto de 4" com 2 cm de complimento) e veja se ele não EXPLODE também com a potência Nominal Aplicada ? Ele é Ruim por conta disso ??? DE FORMA ALGUMA ... Isso mostra que ele não é para TOCAR SUB-GRAVE , ele é um Falante de MÉDIO-GRAVE , como o BOMBER TAMBÉM é !!!

Ae vão em dizer : - Mais eu uso o SELENIUM no PAU , tocando BASS TEST e não EXPLODE ...
Ae eu Respondo : - Primeiramente vc é LOCO e não sabe o que tá fazendo (como muitos no som automotivo né ?) em segundo lugar você já tentou fazer isso com o Bomber ??? PODE SER que agüente Igual ... Pois EU JÁ VI COMO OS BOMBERS SÃO TESTADOS NA FÁBRICA !!!


Acho que escrevi demais né ??? Cansei rsrsrs


qualquer coisa só Perguntar !



OBS: os Preços de Ambos são BEEEM DIFERENTES TAMBÉM EM ??? Será que não tá bom pelo que se cobra num Bomber ??? e MAIS ... será que você não tá exigindo demais e querendo pagar de menos ??? ;)














EDIT: Erros de português , desculpe-me !
  • 13


#2544157 Teste de rendimento no posicionamento Duto/Sub no - Usando TermLab por

Postado por Leonardo Morgado em 07 setembro 2011 - 16:12

Fala SPLers.

Hoje fui testar o posicionamento da caixa no porta malas, assunto que gera muitas polemicas e duvidas.
Usei mesma musica e volume apenas mudando a posição da caixa.
Analisando apenas SPL, não musicalidade.
TermLab posicionado no encosto de cabeça do motorista, com o sensor virado para frente do carro, tentando simular a posição real do motorista.
O primeiro posicionamento será a referencia 0 db.
Teste feito com o carro ligado, ar ligado, vidros fechados e volume medio-alto.
Testado duas vezes cada posição.

Carro: 206sw (usando o tampao da mala)
Musica: No Hands - Waka Flocka
Caixa: LT com Cerwin-Vega

Posição 1: Duto/Sub virados para traseira do carro, caixa encostada no final da mala(na tampa).
Rendimento: 0 db
Imagem Postada

Posição 2: Duto/Sub virados para frente do carro, vão entre a caixa e os bancos traseiros de aproximadamente 20cm, fundo da caixa encostada no final da mala(na tampa).
Rendimento: 0 db
Imagem Postada
Imagem Postada

Posição 3: Duto/Sub virados para cima, teto do carro, caixa encostada no final da mala(na tampa).
Rendimento: -1,2 db
Testado com e sem tampão, diferença menor que 0,1 db a mais quando não tem tampão.
Imagem Postada

Sim, no meu carro a posição 1 e 2 tiveram o mesmo rendimento.
Em todas as posições testadas o pico de frequência se deu em 39hz.

Espero poder montar um banco de dados legal para que fique de referencia para todos. Variando carro e posição duto/sub, assim que possivel.
Vou tentar manter um padrão de teste, sempre que for feito uma nova posição tentarei repetir as outras.

Quem tiver feito teste semelhante post ai para centralizarmos o conteúdo. :legal:
hand26

---------------------------------------------
24/09/2011

Novo teste utilizando frequencia pura (30,35,40,45,50,55,60hz).
TermLab no encosto de cabeça do motorista, virado para frente.
Foi testado apenas com a caixa para o fundo e para cima, mesma configuração do teste anterior.
Creio que os dois picos do gráfico se dê pelo pico da caixa e pela frequência de ressonância do carro.
Imagem Postada
  • 12


#2079812 Caixa tipo LT para leigos [Novidade no 2º post!]

Postado por SubSonic em 22 março 2010 - 12:32

Preenchimento da Linha

Este assunto é complicado, controverso e eu geralmente me esquivo dele, mas vou passar umas regrinhas básicas de preenchimento de LT!

Uma LT sem preenchimento é um tubo ressonante, e como tal sofrerá BASTANTE de suas próprias características básicas, ou seja, teremos uma resposta na Fs e nas harmônicas teremos vales gigantescos de -12dB, o que limita a LT a um uso limitado de 1 ou 2 oitavas! Para LTs para uso como subwoofer com corte baixo, é possível deixar a linha sem nenhum preenchimento, ou com preenchimento bem leve, mas em casos de LTs para médio-graves e médios, com uma banda de resposta mais ampla, é absolutamente necessário o preenchimento para que se tenha uma resposta plana. Vemos em seguida uma medição de um tubo ressonante sem preenchimento e com Fs em 94Hz:

Imagem Postada
FONTE: www.t-linespeakers.org

Este mesmo tubo após preenchimento:
Imagem Postada
FONTE: www.t-linespeakers.org

Repare na atenuação expressive dos vales que ocorre quando se adiciona o preenchimento! A linha azul representa um preenchimento leve e a linha vermelha um preenchimento mais pesado.

A resposta com preenchimento ainda não é a resposta ideal, mas este estudo foi feito utilizando-se um método matemático para o preenchimento, em uma situação real o preenchimento seria alterado até se obter a curva mais plana possível dentro da faixa útil do falante, é o acerto fino do preenchimento da LT, que é o que não dá pra ensinar, só por meio de tentativa e erro é que se consegue! Neste caso o preenchimento também era adicionado em 100% da linha de forma homogênea, coisa que não é recomendada.

A escolha do material


O material para preenchimento da LT é um material fibroso, semelhante ao que pode ser usado em caixas seladas e dutadas. Indica-se o uso de uma tal de “long Hair Wool”, mas eu nunca vi isso aqui no Brasil e sinceramente não sei se temos algo equivalente por aqui. Mas os materiais que podem ser usados são muitos, tem o “Acrilon” (que eu nunca usei pois não acho aki na cidade), o Plumante, que é fibra de poliéster com propriedades muito interessantes, e até mesmo o velho metalacê (aquela fibra branca que tem dentro de jaqueta). Eu tenho usado o metalacê com muito bom resultado! Nada a reclamar dele! É barato, não pinica na hora de colocar, e funciona muito bem! O que eu gosto do metalace e do plumante é que eles permitem desde um preenchimento muuuito leve até um preenchimento bem pesado e mesmo assim ficam “fofos”, essa flexibilidade é muito interessante na hora de escolher o material!

Agora eu vou colocar aqui algumas fotos de linhas muito bem preenchidas e vou comentar a respeito em seguida quanto à FORMA de preencher a linha:

TOR do Renato:
Imagem Postada

Este foi o primeiro preenchimento do TOR, repare que ele usou a espuca caixa de ovo nas paredes e MUITO plumante! Este primeiro preenchimento não foi aprovado e eu sei que ele mudou, deu uma aliviada no ultimo terço, se não me engano (por favor, Renato, me corrija se eu estiver errado, e adicione mais da sua experiência com esse preenchimento!)

Uma LT para médio-grave e médio retirado do suiteronline.com:
Imagem Postada

Repare que esta caixa está com o revestimento bem mais leve, e usa espuma lisa nas paredes acima e atrás dos falantes. Esta localização da espuma, na minha opinião, é a única realmente necessária, se sentir que a caixa está meio “boomy”, mesmo depois de mexer na fibra, ai sim pense e estender a espuma pela linha. Eu gosto de linhas com preenchimento leve, como disse antes, só o necessário para atenuar os vales.

Projeto full-range do audiotropic.net

Imagem Postada

Esta imagem mostra o tipo de revestimento que eu gosto para médio-grave e médio, O FELTRO! Com falantes pequenos usados para médio-grave e médio, eu particularmente acho q o feltro toca melhor que a espuma, e se usar espuma, q seja bem fina! Um substituto para esse feltro é o “cobertor de mendigo”, funciona mto bem em projetos pequenos, com falantes de 5” ou 6”.

Bem, agora vou falar um pouco do MEU jeito de preencher (assim q eu conseguir uma câmera decente tiro umas fotos para ilustrar), eu coloco o feltro, espuma ou cobertor na parede logo atrás do falante e na adjacente, como na segunda foto. Em seguida eu pego o material de preenchimento e afofo ele bastante, para ficar bem leve, e vou adicionando a partir do final do falante, cuidando para que não tenha risco de alguma fibra chegue ao respiro da bobina ou outra parte móvel do falante (uma tela dakelas de galinheiro pode ser usada para segurar o preenchimento fora do falante), daí o material vai sendo aos poucos adicionado deixando uma densidade maior no primeiro terço da linha, o segundo terço com preenchimento leve e o ultimo terço sem ou quase sem preenchimento e SEMPRE uma seção sem nenhum preenchimento logo proximo ao final da linha.

Feito esse preenchimento básico é colocar pra tocar e mudar o preenchimento até “afinar” a caixa. A regrinha básica é que uma caixa muito boomy precisa de mais preenchimento, e uma caixa muito seca precisa de menos preenchimento. Eu reparei também que quando se altera o preenchimento no começo da linha se causa maior mudança nas freqüências próximas da Fs, enquanto que quando se altera o preenchimento mais para o final da linha, as freqüências mais altas é que sofrem maior mudança, mas isso não é uma REGRA, vale a tentativa.

Bem... eu disse que preenchimento era complicado e que não tinha muito oq ensinar, mas é isso! Espero que o pessoal q ta conhecendo LT agora, tenha entendido tudo!

Logo eu vou postar um passo a passo do projeto de uma caixa e se tudo correr bem teremos um passo a passo de CONSTRUÇÃO desse projeto!
  • 12


#3087345 Considerações e teste de potência RS2500AB e Booster 2400W

Postado por RANZZO em 11 março 2013 - 12:10

Depois de fazer os devidos reparos no RS2500AB e no Booster BA2000GX resolvi fazer o teste de potência e fazer um breve relato sobre os dois amplificadores.

http://imageshack.us.../dscf36991.jpg/

Vista geral do RS2500AB, ao contrário do que alguns pensam, o amp não é classe D. Usa 8 pares dos transistores 2SA1492/2SC3856 e na fonte usa 16 fets P50N06 e os retificadores são os FM333.
O amplificador é muito bem construído e conta com um bom banco de capacitores 8x4700uF/80V oque garante um bom suprimento.
http://imageshack.us.../dscf36951.jpg/
http://imageshack.us.../dscf37111.jpg/

No teste de potência, usei carga de 2ohms(que é o minimo do banco de carga que uso), o amplificador atingiu 30,84V e 16,6A com sinal senoidal de 60Hz, sendo assim atingiu 511,95W em 2ohms, em 1ohm atingiria cerca de 1000W. Um detalhe é que por ser AB e ter uma potência razoável o amplificador acaba tendo um alto consumo em vista do rendimento, além de um aquecimento excessivo que chega a ser preocupante. Creio que não seja mais viável o uso de amplificadores AB com potência acima de 800W, já que um classe D com o mesmo rendimento consumiria cerca de 30 a 40% menos. Claro que isso é minha opinião e em caso de uso para baixas frequências.

Booster 2000

http://imageshack.us.../dscf36891.jpg/
Fiquei surpreso quando abri esse amplificador e vi que usa na saida os 2SA1943/2SC5200, que normalmente são usados em potencias de uso profissional (classe AB/H). O amplificador é muito bem constuído.

http://imageshack.us.../dscf36871.jpg/

A fonte usa 4 capacitores de 4700uF, dois trafos chaveados por 12 Fets P50N06.
Infelizmente não fotografei o teste de potência, pois a bateria da câmera se foi na hora do teste, mas o amplificador alcançou 200W por canal em ponte, ou seja, 400W RMS no total.
Na minha opinião só faltou ao booster um pré um pouco melhor já que usa os Amp.op. 4558 que não apresentam uma qualidade esplendida de audio, de qualquer forma é um ótimo custo-benefício já que custa menos de 300 pila.
É isso ai galera,caso alguém tenha mais considerações ou caso tenha errado em algo, fiquem a vontade para acrescentar algo. Só lembrando que o teste foi feito com carga resistiva e serve apenas como referência de potência. Abraço a todos.
  • 11


#2717270 || QUESTO AUDIO || - Alto-Falantes

Postado por RenanLopes em 14 fevereiro 2012 - 14:33

Foristas,

É com bastante satisfação que gostaria de comunicá-los que:
  • Eu, Renan Lopes (Mais de 10 anos dedicados ao áudio como entusiasta e curioso, sendo que destes, mais de 5 anos atuando em grandes industrias do seguimento, passando de Estagiário de Engenharia, Laboratório de Medição, Analista de Produto, Projetista e Coordenador de Projetos de Alto-Falantes);
  • Renato Yamane (Ícone da Velha Guarda do fórum, dedicou parte da sua vida a pesquisa e a matemática envolvida no projeto de alto-falantes. Atuou em uma grande indústriado ramo, iniciando como consultor e galgando degraus até a Gerência de Engenharia de Produto);
  • Eng. Guilherme Neukamp (Engenheiro Eletricista, tem o Alto-falante como assunto no trabalho de conclusão de graduação. Atuou por quase 5 anos em grandes empresas do seguimentos, onde passou de Estagiário de Engenharia a Coordenador de Projetos) e;
  • Eng. Felipe Vieira (Engenheiro Mecânico com mais de 12 anos de experiências na manufatura de alto-falante e MBA em Logística e Produção. Atuou em uma grande empresa do ramo, desde Supervisor da Qualidade do Produto a Gerente Industrial);
Nos unimos para formar a QUESTO AUDIO, empresa focada em desenvolver, produzir e comercializar alto-falantes para Sound Quality, buscando aliar musicalidade com um generoso SPL, o que acreditamos ser uma carência do mercado nacional.

Com milhares de horas de testes, desenvolvimento de vários equipamentos próprios para a utilização na engenharia, com a finalidade de obter medidas precisas e confiáveis, assim como a utilização de equipamentos de referência mundialmente reconhecidos, estamos trabalhando arduamente no projeto de uma linha de subwoofer de 10", 12" e 15", com 350Wrms e configuração de bobinas em 2+2 ohms e 4+4 ohms, tendo todos os componente projetados e desenhados milimetricamente pela engenharia da Questo Audio, garantindo precisão e confiabilidade.


PUBLICAÇÃO NA CARSTEREO:

Imagem Postada

Arquivo para leitura:
http://img513.images...tecequesto1.pdf


DESENVOLVIMENTO:

Imagem Postada

- A calota foi baseada em uma abóbada hemisférica, mesma técnica utilizada para as cúpulas da algumas basílicas, o que resulta uma grande força estrutural. Permitindo que possamos reduzir sua espessura, otimizando, consideravelmente, o peso do sistema móvel do alto falante. Será produzida em polipropileno injetado, ao contrário da vacuum forming, normalmente utilizada, já que esse processo deforma e enfraquence a sua estrutura mecânica.

Imagem Postada

Imagem Postada

Análise por Elementos Finitos da estrutura mecânica
Imagem Postada


- A centragem (Aranha) será produzida em Polycotton, um material muito resistente feito de tecido de algodão e fibras sintéticas de poliéster.

Análise da compliância e deslocamento linear, também através de elementos finitos
Imagem Postada


- A suspensão será produzida em Borracha de Butadieno Estireno (SBR) vulcanizada, garantindo uma melhor resistência à abrasão do que a borracha natural (NR), assim como uma melhor resistência a altas temperaturas e ao envelhecimento.

Simulação do deslocamento máximo mecânico (Xlim - 24mm) no sentido "negativo"
Imagem Postada


- A bobina móvel utiliza fio com classe térmica de 220°C, além de forma de alumínio anodizado preto, que diferente das convencionais, feita de Fibra de vidro, Kapton ou alumínio comum, apresenta melhor dissipação térmica para o enrolamento da bobina, mantendo-a refrigerada por um tempo maior em elevados níveis de potência. Com isso, temos a redução da compressão térmica e vida útil elevada para o produto.

Imagem Postada


Saindo do Papel:

Imagem Postada


Imantadeira própria, desenvolvida exclusivamente para atender as necessidades do controle de qualidade da Questo Audio:

Imagem Postada

Desenvolvimento do medidor de temperatura da bobina móvel em testes:

Imagem Postada


Prévia do software próprio que estamos desenvolvendo para projetos de caixas acústicas:

Imagem Postada



Maiores informações e novidades, no decorrer do tópico ou na nossa página no Facebook: www.facebook.com/QuestoAudio


Abraço,

RenanLopes
www.questoaudio.com.br
  • 11


#2513864 Carta de despedida ao meu irmãozinho FERHEXA

Postado por rick demolidor em 06 agosto 2011 - 14:06

A internet é engraçada .....

Alguns realizam negócios , outros tomam tombos , outros somente se divertem e alguns fazem grandes amigos.

Eu sou uma dessas pessoas que tiveram a chance de fazer um grande amigo , e foi aqui ! FERHEXA Fernando apareceu cheio dúvidas sobre o set que havia montado no seu carro e eu me prontifiquei a ajudar , aos poucos ele fez as mudanças no set e ficou feliz com o resultado.

Nesses tantos contatos acabou nascendo uma grande amizade , nos tornamos amigos de verdade , amigos que trocam conselhos , incentivos e dão apoio nas horas mais dificeis.

Foi assim que ele me contou que estava na luta contra a doença há quase 2 anos , ele sofria de leucemia. Ele faleceu na última 5ª feira dia 04/08/2011.

Fernando, sua passagem aqui foi muito breve mas foi intensa, pois voce amou sua familia e foi amado por ela, fez amigos por onde passou sempre sendo carismático e mostrando com facilidade como é grande seu coração, nem precisava mostrar.....era totalmente visivel a bondade em sua pessoa.

Eu sou um cara de sorte pois tive a chance de ser seu amigo de um cara tão nobre de caráter e alma, me sinto honrado por ter sido recebido em seu coração.

Gostaria que Deus tivesse atendido minhas preces e tivesse te curado ....mas ele não o desejou assim e não vou condená-lo por isso , pois tenho certeza de que ele deve ter outra missão muito maior para voce cumprir aí ao lado dele.

Falei com seu irmão ao telefone e escutei dele o que não desejava , que voce havia nos deixado....porrra man , não queria jamais ter de ouvir isso....tá doendo muito dentro do peito e me faltam palavras pra dizer o quanto voce é maneiro , amigo e irmãozinho .....

Sentirei muita falta de nossos bate papos , mas tenho certeza de que não ficaremos incomunicáveis , pois nossa ligação espiritual vai permanecer.

Deus tem seus designios e nós não temos a capacidade de compreender, mas pode ter certeza que por maior que seja a dor da partida , ela não foi em vão.

Irmãozinho, fico aqui com a saudade e o vazio no peito , mas com a certeza de que um dia a gente ainda se comunica , pois em toda benção divina voce estará ligada a ela como um anjo.

Vai com Deus meu amigo !

Um grande abraço de seu irmãozão

Georges

  • 11


#2932208 TESTE DE POTÊNCIA - Amplificadores B.Buster

Postado por LucasGYN em 04 outubro 2012 - 18:35

E aí pessoal, blz?

Hoje eu, o Ernany e o user KikiN testamos vários amplificadores e eu levei os B.Buster 1600GL e o 3600GL (do user henriquegyn) para testarmos.


Equipamentos utilizados:
- Multímetro True RMS
- Alicate amperímetro True RMS
- Osciloscópio
- 220Ah em baterias (XS Power e Alphacell)
- Fonte Usina de 600A
- Cabos de 35mm²


Resultados:

-> B.Buster 3600GL


Tensão de saída: 47,57 V
Corrente de Saída: 11,7 A
Potência em bridge (4 ohms): 556,6 W RMS
Tensão de entrada: 14,23 V

Potência total: 1.113,2 W RMS



Reparem na onda quase perfeita. Este amplificador libera fácil mais de 1200w RMS com índice de distorção muito baixo.


-> B.Buster 1600GL


Tensão de saída: 33,47 V
Corrente de Saída: 8,2 A
Potência em bridge (4 ohms): 274,5 W RMS
Tensão de entrada: 14,42 V

Potência total: 549 W RMS



Reparem que praticamente não houve distorção, onda quase perfeita. Este amplificador libera mais de 600w RMS com índice de distorção muito baixo.


Nos dois amplificadores dava pra aumentar um pouquinho mais o ganho, provável que o THD estava abaixo dos 10%. Resumindo: não existe custo-beneficio melhor! São amplificadores de, praticamente, 600w (1600GL) e 1200w RMS (3600GL) e que custam muito pouco pelo que oferecem: potência declarada (até mais no caso do 1600GL), ótimo acabamento, boa qualidade de áudio e preço baixo.

E agradecer o user "henriquegyn" que emprestou seu amplificador, o 3600GL, para realizarmos o teste.


É isso, pessoal. :legal:
  • 10


#2028909 Audiophile Black CD-R´s

Postado por FKBL em 17 janeiro 2010 - 21:40

Olá Pessoal,

Eu trabalhei em fábrica de CD, DVD e CD-R por alguns anos e tenho alguma experiência para compartilhar.

O CD que compramos nas lojas, fabricados legalmente, são injetados em policarbonato, através de uma matriz, o STAMPER em níquel, que faz a "gravação" dos PITs e LANDs (códigos binários) e possuem uma camada de alumínio de metalização para reflexão do laser que fará a leitura dos PIT e LANDS "gravados" do CD. Já o CD-R, a "geração" é realizada através da sensibilização de uma camada de produto fotossensível. Os gravadores de CD-R, fazem a codificação binária e modulam o laser e sensibilizam esta camada nos CD-R, CD-RW, etc.
A qualidade desta "gravação" dos PITs e LANDs é fundamental, pois pode trazer falhas da decodificação binária para o analógico (áudio) e gerar erros como Jitter, C1, C2, Track PIT, Simetria, etc.
Bem, o Jitter é a variação de um período em relação à uma referência. O CD é dividido em 9 tamanhos de PITs (lacunas ou buracos) e os respectivos LANDs, que vão de 3T à 11T, ou seja para cada tamanho de PIT, por exemplo o 3T, se espera que nesta lacuna, a leitura amostral se obtenha 3 0 (bits zero) seguido pelo LAND 3T, e a mesma referência para o 11T (11 zeros). A diferença do período deste PIT em tempo "gravada" na mídia em relação ao tempo de clock, é conhecido como Jitter, ou seja atraso. Este atraso, caso seja muito grande, poderá causar erro de interpretação dos PITs e LANDs e com isto, codificação errada do CODE por exemplo, se temos uma seqüência esperada de 3T, 5T, 4T, teríamos: 01000100010000010000010000100001. E se o período desta amostra (jitter) for maior ou menor, poderemos ter um código binário diferente desta seqüência, e aí a conversão digita/analógica, pode gerar sinal analógico (áudio) distorcido em relação do original. Sendo estes PITs e LANDs que serão lidos pelos leitores de CD, que detecta a transição de um PIT para um LAND através do bit 1, conforme acima. Esta seqüência é “gravada” em forma de espiral no decorrer de todo conteúdo do CD.

Os erro, C1 e C2, são erros de leitura dos blocos dos códigos e sub-códigos (códigos de controles de tempo, n. de faixas, etc) dos CDs. O erro C1 é um erro grave, que pode ser corrigido, ou interpolado, já o erro C2 ou conhecido como CU é o mais grave, que não pode ser corrigido ou interpolado, e este erro, pode trazer ruídos como estalos ao ouvir o CD no local onde ocorreu o erro. Isto pode ser causado por riscos, danos, má qualidade da “gravação”.
Os CD-R são muito sensíveis a estes erros, e o casamento entre a mídia, o gravador e o software de gravação é fundamental. Normalmente, o tempos de desligamento do laser de um gravador de CD-R é “lento” e isto pode causar PITs maiores que o desejado, e com isto, erro na decodificação.
Em resumo, o código binário pode ser alterado e com isso o seu correspondente sinal analógico (audio) diferente em relação ao original.

As diferenças entre CD-R comprados por R$0,50 dos comprados por R$100,00 é grande, não só o preço. O mesmo ocorre para os gravadores de CD-R.
Existem audiofilos, que conseguem distinguir qual mídia foi gravado o áudio que esta sendo ouvido como: DAT, CD, CD-R, UMATIC, etc.
Eu particularmente, nunca espero fidelidade de áudio numa gravação em CD-R, pois variações do exposto acima podem ocorrer e distorções em relação do código binário original.

Espero ter ajudado,

Abraços,

FKBL
  • 10


#2638992 senoide, frequencia pura, 60hz , só grave. aprenda a fazer.

Postado por lton85 em 02 dezembro 2011 - 08:14

1º baixe o audacity ( http://audacity.goog...code-1.3.13.exe )


2º vc vai precisa do Lamemp3 (http://lame1.buanzo...._on_Windows.exe )


3º Abra o audacity e vai inserir tom

Imagem Postada



4º Deixe em senoidal selecione a frequência e tempo que voce quer.

Imagem Postada



5ºClick em ficheiro> exportar.

Imagem Postada



6º Selecione MP3 , depois opções e deixe a qualidade em 320kbps.

Imagem Postada
  • 9


#2259732 Teste V900.1

Postado por Ernany em 24 outubro 2010 - 12:35

Olá pessoal..

este fim de semana um colega chegou aqui com um Venon V900.1 da stetsom... entao resolvemos fazer um teste medindo a potencia rms do mesmo..


bom.. os equipamentos usados foram 1 fonte USINA SPARK de 200A, 1 bateria XS POWER modelo D3100 de 110ah, player sony 707, frequencia fixa em 60hz e carga resistiva de 2 ohms mais precisamente em 1.9 ja descontando as pontas de prova, Multimetro e Amperimetro TrueRMS AC.

Resistencia
Imagem Postada

Bancada
Imagem PostadaImagem Postada

Amplificador
Imagem Postada

O resultado foi o seguinte...

antes do CLIP acender o sinal já apresentava distorções.. então para efeito de comparação com outros testes.. eu considerei como se estivesse com sinal limpo antes do clip acender, mesmo apresentando deformação na senoide.

A formula foi "Potencia = Tensão x Corrente"

Tensão de Entrada = 14,0Vc (bateria)
Tensão de Saída = 32,4Vac
Corrente de Saída = 15,9Aac
Resistencia = 2,037ohms
Potência Total=515,16wrms @ 14,0V


Medição com CLIP aceso

Tensão de Entrada = 13,6Vc (bateria)
Tensão de Saída = 39,2Vac
Corrente de Saída = 19,5Aac
Resistencia = 2,01ohms
Potência Total = 764,4wrms @ 13,6V


É isso aí...

:legal:
  • 9


#2137464 amplifiers.....

Postado por praia2009 em 30 maio 2010 - 12:44

Os amplificadores são uma das invencoes mais velhas que conhecemos ,e nunca pararam de ser objeto de constante pesquisa , desde de a sua normalizacao nos pradoes de construcao e classes como : A, B , AB , C , D , G , H , etc etc etc , ate nos dias de hoje....

Os amplificadores classe D , ganharam a graca da maioria das pessoas no mundo todo , devido ao seu baixo custo , baixa manutencao , e rendimento alto , ideal para muitos sistema de som , e ate mesmo pelo seu peso e tamanho bastante resumido !

Mais sempre foi motivos de reclamacoes quando se parte pra detalhes em alta frequencia e qualidade de audio , e ate eu concordo com isso , POREM as coisas já estao mudando , e pra melhor , pra ser mais exato pra muito MELHOR ...

Os amp classe D , funcionam como uma chave , ou seja , uma hora uma parte dos transistores de saida estao conduzindo , outra hora não ! e como se vc ligasse e desligasse uma lampada de forma bem rapida , e durante esse processo o que ele esta fazendo nada mais e do amplificando um sinal ( PWM ), e mais na frente esse sinal e filtrado deixando passar apenas o sinal de audio...

Como esse sinal e gerado ? de forma simples : o sinal de audio , sinal esse que vem do seu toca cd , passa pelo seu estagio normal como , ganho , crossover , cortes , subsonico e mais o que o amp tiver ali de funcoes , uma vez esse sinal pronto ele e enviado a um comparador , comparador esse que tambem recebe outro sinal , so que dessa vez fixo vindo de outro circuito interno chamado de gerador de onda triangular ...

A comparacao de ambos os sinais gera um terceiro sinal chamado de PWM , e é esse sinal que os transistores de saida estao conduzindo , e por isso que o amp e eificiente , porque vc não trabalha com diretamente com o sinal de audio nos transistores como o classe AB , e sim apenas um sinal que mais pra frente e filtrado deixando passar o audio novamente , intao :

Audio vira sinal , sinal e amplificado , sinal e filtrado , e depois audio novamente fresquinho com seus mili tantos watts.....

O rendimento e altissimo , na maioria das vezes superior a 87% ,porem todo esse processo não tem uma qualidade de audio tao boa , que vc tem varios sinais e filtros envolvidos no circuito ,limitando bem a faixa de frequencia audivel......

E é bem disso que quero tratar , não da pra explicar parte a parte de um circuito aqui , mais o avanco de transistores de saida mais fortes , e que operam com frequencias super altas , tem feito o amp classe D melhorar sua qualidade e muito , ate msm os circuitos comparadores , que antigamente so operavao em uma determinada faixa de frequencia , hoje estao bem acima do que era a 3 anos atraz , fazendo o amp ter o som mais bonito a cada dia !

Eu tive a oportunidade de ver um sistema com modernissimos transistores, comparadores , filtros , resultado numa qualidade praticamente igual ao AB , sendo que não poderiamos ver quem era quem , apenas ouvir varios tipos de musica por um periodo de tempo e depois falar quem era AB e D ,e adivinha ? eu e mais 9 pessoas erraram kkkkkkkk , porem isso são tendencias que estao chegando no mercado , e que logo logo , se tornara uma realidade , eu pensava que isso era perto do impossivel , mais não e !

Os fabricantes de componentes viram nisso um nincho de mercado muito grande , intao toda a pesquisa e desenvolvimento esta focada nisso , e por isso que vemos todos os dias componentes novos no mercado e com muito mais eficiencia !parece que a briga por isso e da mesma proporcao do que a briga por computadores mais velozes !

Cada um de nos gosta de um tipo de amplificador , porem uma nova tendencia de MODA estara sendo lancada em breve , e estaremos aqui pra falar dela quando ela sair !!!!

POREM NÃO E SO UM COMPONENTE QUE FAZ MILAGRE E SIM UMA BOA ENGENHARIA QUE CONHEÇA O QUE ESTA FAZENDO INDEPENDENTE DO PROJETO EM SI !!!!!!......

Vlw ai
:legal:
  • 9


#2580739 Megacapacitores, usar ou não usar?

Postado por DAD em 13 outubro 2011 - 10:34

Estou criando este tópico para relatar experiências feita de forma práticas em laboratório!
Fiz um teste para demonstrar o quanto é importante a utilização deste ítem, que muitos teimam em dizer que não faz efeito!
Como sou eng. eletrônico e audiófilo da velha guarda (Old School), já fiz e experimentei de quase tudo em som, desde o mais simples até mesmo os valvulados esotérios(15mil cada bloco mono de potência)
Bem, vamos ao que interessa:
Aparelho usado: D-3000.2
A carga usada foi resistiva de 2 ohms.
Gerador com salvas de senóides, sendo F=80Hz 4 ciclos com 0,5s no tempo, assim é necessário para uma pequena simulação de picos musicais.
A fonte é uma bat. Moura de 150A + Fonte de 150A.....
Uma curiosidade, o distribuidor que faz a união da fonte e bat. estava com fio de 16mm(15cm) apenas, mas a ligação principal com 35mm(1m)...
Bem, no início fui até acender o led cliping (como é usado pelos usuários), medi 90Vp nesta medida; dando cerca de 4000W de pot. de pico na carga, com ondulação pelo osciloscópio(não serve o voltímetro, não tem velocidade), variava de 14V á 10V min.
Na segunda medição, fiz alteração da bitola do fio de ligação no distr. de 16mm para 25mm, Surpresa...de 90Vp, subiu para 100Vp, o que resultou em aumentao na pot. de sáida para 5000W de pico musical!
Apenas o simples fato do aumento de 16mm para 25mm ganhou-se 1000W(musicais)!
Bem, agora foi a vez do megacapacitor:
Foi usado um de 20F, para o teste!
Resultado: Aumentou para 110V de pico na carga, ou seja de 5000W para 6000W , com aumento de +1000w,...a ondulação continuou com a mesma diferença, de 14V á 10V, é que o consumo de corrente aumentou!
Conclusões:
O Megacapaciotr é muito importante para fornecer energia nos picos máx. de pot.; ele não vai aumentar o tempo de de utilização, mas vai incrementar a pot. de saída dos módulos, e muito mais dinâmica do som!
Sempre usei e aprovo
[]-[]
  • 8



Smartfix